Após três meses de alta, o percentual de endividados em São Luís (MA) voltou a cair no mês de agosto de 2016. É o que aponta a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) realizada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) em parceria com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Maranhão (Fecomécio-MA), que entrevistou 500 famílias nos últimos 10 dias de agosto.

Publicidade
Curta e compartilhe

De acordo com o levantamento, 67,6% das famílias ludovicenses estão endividadas, queda de 3,25% comparado a julho de 2016. O estudo tem margem de erro amostral de 3,7% e nível de confiança de 95%.

O percentual de famílias que relataram ter dívidas ou contas em atraso entre cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro, portanto são consideradas inadimplentes, ficou em 29,1%, indicando diminuição de 6,13%. O índice dos que declararam não ter condições de pagar as dívidas em agosto alcançou 12,3%, redução de 3,15%.

Dentre os principais tipos de dívida contraídos com maior impacto sobre o nível de endividamento, o cartão de crédito permanece como destaque alcançando 74,5% das famílias, mas apresentando redução de 1,72% em relação a julho de 2016 e queda de 0,67% na comparação anual.

O carnê (12,6%) aparece como o segundo principal tipo de dívida e também sofreu redução (0,79%). Os financiamentos de carro e imóvel sofreram aumentos de 13,04% e 28,57%, respectivamente.

Para a federação, o resultado indica um desenvolvimento gradual e favorável para o comércio.

Gostou do conteúdo? Então, deixe seu comentário! Ele é muito importante para mim.

Envie sua sugestão de novos assuntos pelo Messenger. Curta e siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, Twitter e Instagram; e inscreva-se no canal no YouTube. Receba, ainda, novidades e ofertas exclusivas por e-mail inscrevendo-se na newsletter.

O levantamento reflete a melhora do potencial de compras do consumidor neste período através da queda do nível de endividamento da população, evidenciando oportunidades também para o empresariado renovar a oferta de produtos com mais investimentos
Eduardo Campos, consultor econômico da Fecomércio-MA