“Vamos voltar para o Rio com a alma renovada”, comentou o músico Jefferson Gonçalves ao público da terceira edição do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival, durante o encerramento da primeira noite de evento, na última sexta-feira (4). A frase, que serviu como um agradecimento do artista ao público, representa o contentamento geral dos artistas que se apresentaram no primeiro dia de shows do festival, realizado na Praça da Basílica, no Centro da cidade balneária.

Publicidade
Curta e compartilhe

Misturando blues com referências do folk, pitadas de baião e momentos bem roqueiros, a dupla Jefferson Gonçalves e Kleber Dias abrilhantaram a noite em Ribamar. Com clássicos como ‘All Along Watchtower’, ‘Crossroads’ e ‘Shame, Shame, Shame’, os músicos foram além das canções: colocaram o público para dançar, pular e se jogar ao ritmo da música. Para Jefferson, esta entrega é a parte principal da conquista que o festival tem na cidade.

Ver que este festival está na terceira edição, com uma estrutura muito boa, é nota 10. (…) É essencial formar uma nova plateia. Acho muito importante. Principalmente com essa filosofia de ser aberto ao público. A integração da plateia, dos músicos de fora com os músicos locais , tudo isso é muito importante para as nossas experiências
Jefferson Gonçalves, músico

Segundo Kleber, a recepção do público foi marcante: “foi maravilhoso. Público muito receptivo. Fluiu tudo muito tranquilo. Foi tudo muito para cima. Espero voltar todo ano”, brincou o músico.

A recepção da cidade aos artistas, também, foi elogiada pela cantora mineira Ceumar. “Achei muito especial. Público muito carinhoso, atento. A variedade de bandas, de estilos. Ver essa passeada pelos estilos musicais foi muito interessante”, disse a artista.

Com o pé na MPB, a cantora mineira recebeu vários elogios em sua passagem pelo festival. Ganhando coros em ‘Cantiga’, ‘Dindinha’ e ‘Turbilhão’, Ceumar rompeu o ciclo de saudade com os fãs maranhenses – a última passagem da artista no Maranhão ocorreu em 2010, em São Luís.

Marcus Lussaray e Bruna Marcelly, sua filha
Marcus Lussaray e Bruna Marcelly,
sua filha (Foto: Divulgação)

Abrindo as apresentações da primeira edição do festival, Marcus Lussaray e banda fizeram um belíssimo show musical, indo do instrumental à marcantes regravações. Depois de conquistar a plateia com versões de Miles Davis (‘Tune Up’) e Mike Stern (‘Tipatina’s’), um grande momento do festival veio logo na primeira hora de evento: o guitarrista maranhense chamou a filha, Bruna Marcelly, para dividir os vocais em duas faixas.

Com voz calma e cheia de leveza, Bruna arrancou aplausos do público assim que cantou os primeiros versos. Para Marcus, dividir o show com a filha tem um gosto mais que especial. “Eu estou super emocionado com a interação do público. E estar com a minha própria filha, vendo ela emocionando todo mundo, para mim, foi tudo inesquecível”, revelou o guitarrista.

Marcus Lussaray e quarteto
Marcus Lussaray e quarteto (Foto: Divulgação)

Neuzimar Mandu, escritora de São José de Ribamar, comentou sobre a gratidão em poder assistir mais uma edição do evento – e, de quebra, levar a irmã para o conhecer os estilos que tanto gosta. “Este festival é muito importante, pois traz um resgate da música como importante valor para a cidade e para a cultura local”, afirmou Neuzimar.

Em noite de fortes emoções musicais, Taryn Szpilman encanta no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival

Encanto: esta é apenas uma das palavras que representam o que rolou no segundo dia de apresentações do São José de Ribamar Jazz e Blues Festival. O encanto das misturas musicais, das parcerias em cima do palco, dos ritmos em sintonia. Foi difícil encontrar alguém que não saiu encantado da praça.

Uma das responsáveis por este ‘encantamento’ foi a cantora Taryn Szpilman, que encerrou em grande estilo a segunda noite de atrações. Depois de passar pelo circuito Barreirinhas e São Luís nos últimos anos, a diva carioca trouxe um gostinho especial para o público de São José de Ribamar: a apresentação do espetáculo ‘Nouveau Vintage Café’, inédito em terras maranhenses.

Taryn Szpilman e seu esposo
Taryn Szpilman e seu esposo (Foto: Divulgação)

Com uma apresentação recheada de temas clássicos do jazz, do blues, do soul e do rock clássico, Taryn homenageou artistas revolucionários que brilharam entre as décadas de 40 e 70. De Billie Holiday à Ray Charles, passando ainda por Led Zeppelin, a carioca conquistou a plateia durante todo o show – principalmente em ‘Livre Estou’, canção que é tema da premiada animação ‘Frozen – Uma aventura congelante’, sempre pedida pelo fãs e que cativou o público da cidade.

“É um prazer imenso participar de mais um show no Maranhão. E o público daqui é bastante especial, pois ele tem um imenso carinho por mim. Conheço pessoas daqui há vários anos”, elogiou Taryn sobre o Maranhão. “As pessoas que comparecem aos meus shows neste Estado [do Maranhão] são um combustível para seguir em frente. É um público que eu conquistei e que acompanha a minha carreira. É maravilhoso”, acrescentou.

Antes da carioca, quem passou pelo palco do festival foi a dupla Thiago e Arismar do Espírito Santo, diretamente de São Paulo. Apostando no repertório instrumental e nos improvisos em cima do palco, a dupla, formada por pai e filho, deram à cidade um encontro inusitado entre duas gerações musicais. “Foi muito aconchegante estar nesta cidade. O carinho e o respeito que as pessoas tiveram pela nossa apresentação nos deixou muito feliz”, comemorou Thiago. Para ele, a presença de festivais como este, em várias partes do mundo, são o combustível necessário para incluir música diariamente no cotidiano. “Ver centenas de pessoas curtindo uma música autoral, desconhecida, de forma gratuita, é gratificante”, reforçou.

A aposta na música autoral, inclusive, foi o ponto alto da apresentação de Anna Claudia, na segunda da noite. Mesclando sucessos da carreira com o seu trabalho mais recente, intitulado ‘Bons Ventos”, a cantora também encantou a cidade com o seu timbre de voz delicado e poderoso.

“Minha estreia no festival foi mágica. Ver a comunidade integrada com a música ajuda a ampliar o conhecimento musical das pessoas”, disse Anna Claudia. No repertório, se destacaram faixas como ‘Vai’, ‘Retrato Branco e Preto’, ‘Dona Maria’ e as acústicas ‘Foi Assim’ e ‘Menininha do Portão’.

A noite do segundo dia de shows foi aberta com a apresentação especial da Orquestra Filarmônica de Sopros Sesc Musicar, que entregou um repertório bastante diversificado. De Tim Maia à trilha sonora de ‘Star Wars’, passando também pela homenagem à Ilha de São Luís com ‘Ilha Bela’, a orquestra, liderada pelo regente Jairo Moraes, deu o tom da noite de encanto logo nos primeiros minutos. “Poder trazer estes alunos para se apresentar na praça e ver eles se comunicando, através da música, com o público é o que me motiva a fazer cada nova apresentação”, revelou o regente.

Orquestra Sesc no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival
Orquestra Sesc no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival (Foto: Divulgação)

Sobre a parceria do Sesc com o São José de Ribamar Jazz e Blues Festival, a coordenadora de Cultura do Sesc, Izonete Almeida, disse que ver a comunidade acolhida pelo evento só reforça a necessidade da parceria. “Divulgar os artistas locais e dar esta oportunidade para a cidade ter conhecimento de outros estilos de música é fundamental”, analisou.

Para a estudante Karol Garcês, moradora de São José de Ribamar, o festival conseguiu garantir uma importância vital para o aquecimento da cultura local. “Ver estilos como o jazz e blues animando a cidade é algo extremamente importante. Chegar à terceira edição é uma prova de que o festival está crescendo e, principalmente, que tem espaço”, concluiu.

Socorro Araújo, secretária municipal de Turismo de São Luís, reforça que tanto o jazz quanto o blues tem morada garantida tanto em São Luís quanto São José de Ribamar. “Estas formas [do festival] é que levantam os moradores a se fortalecerem culturalmente em várias cidades do Estado”, comentou.

Feira, food bikes e Impressão do Silêncio

Na edição de 2016, o público contou com duas novidades. Uma delas foi a presença de oito food bikes instaladas na Praça da Basílica. Com ofertas de pizza, brownie, brigadeiros, tortinhas, saladas de frutas e até um empório sobre duas rodas, entre outras opções, a associação, comandada por Juliana Frota, trouxe um atrativo diferenciado para quem curtia o festival. “Fazer parte da programação é bastante especial. As comidas, a paisagem da cidade e a música fazem uma combinação perfeita”, comentou Juliana.

São José de Ribamar Jazz e Blues Festival teve também feirinha de artesanato
São José de Ribamar Jazz e Blues Festival teve também feirinha de artesanato (Foto: Divulgação)

Outra novidade foi a primeira feirinha “Acordes” de artesanato, organizada pelas artesãs da associação ENgrenARTES. Com o objetivo de fomentar pequenos negócios e gerar renda na comunidade, a feira montou vários stands na Praça da Basílica, priorizando a venda de bijuterias, artigos de azulejaria e objetos de decoração, entre outros itens.

Para Mariana Nascimento, uma das organizadoras da feira, ver a cultura interagindo, do artesanato à música, por exemplo, é uma prova de que há espaço para a integração entre vários formatos de arte. “É uma oportunidade que temos de agregar o valor do artesanato com o valor cultural da cidade e do festival”, analisou.

Grupo de fotografia Impressao do Silêncio no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival
Grupo de fotografia Impressao do Silêncio no São José de Ribamar Jazz e Blues Festival (Foto: Divulgação)

Uma participação surpresa na programação do festival foi o projeto ‘Impressão do Silêncio’, da fotógrafa Veruska Oliveira, que levou 15 jovens surdos que desenvolvem um trabalho de iniciação no mundo da fotografia para registrar o evento de vários ângulos. “A ideia é incluir estes jovens na música e aproveitar o evento como um método de aprendizagem fotográfica e musical”, revelou Veruska.

Empresas patrocinadoras e apoiadores

O São José de Ribamar Jazz e Blues Festival, uma realização da Tutuca Viana Produções, conta com os patrocínios da Vivo, por meio da Plataforma Vivo Transforma – que promove a democratização do acesso à cultura e o envolvimento das comunidades em iniciativas voltadas, principalmente, à música – e do governo do Maranhão, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e ao Esporte; e os apoios culturais da Prefeitura Municipal de São José de Ribamar, Sesc, Sebrae, Clara Comunicação, Tory Brindes, Taguatur Turismo, TV UFMA, TV Mirante e Grand São Luís Hotel.

Com informações da assessoria de comunicação.

Gostou do conteúdo? Então, deixe seu comentário! Ele é muito importante para mim.

Envie sua sugestão de novos assuntos pelo Messenger. Curta e siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, Twitter e Instagram; e inscreva-se no canal no YouTube. Receba, ainda, novidades e ofertas exclusivas por e-mail inscrevendo-se na newsletter.