Apesar de a temperatura deles ser mais alta que a nossa, variando de 37,8°C a 39,3°C, os pets sentem frio também, assim como os humanos, e tendem a sofrer ainda mais com mudanças bruscas, como as provocadas pela massa de ar polar no sul do Brasil, esta semana. Fatores como idade, condição corpórea, raça e tipo de pelagem podem influenciar esse quadro, e é preciso ter cuidados específicos nesta época do ano para mantê-los com bem-estar, explica a veterinária Priscila Zanotti, da Petz.

Pets sentem frio e sofrem ainda mais com mudança brusca de temperatura
Pets sentem frio e sofrem ainda mais com mudança brusca de temperatura
Publicidade
Curta e compartilhe

Os sinais para identificar se os pets estão desconfortáveis com o clima são extremidades frias, tremedeiras, se o bichinho fica sempre encolhido ou procura lugares quentes para se abrigar.

Os cãezinhos de pelagem curta são os mais afetados, como pug, pinscher, buldogue francês, teckel, whippet e pit bull. Já raças como spitz, chow chow, golden retriever, shih tzu e lhasa apso têm pelagem longa e alguns, até subpelos, que protegem dessa sensação térmica e mantém o animal aquecido

Resistente

Por outro lado, o frio também traz benefícios, já que pets obesos ou de pelagem longas tendem a ficar mais à vontade em temperaturas mais baixas. Os obesos e de focinho achatados, como por exemplo o buldogue inglês, sofrem muito com temperaturas elevadas e, em épocas mais frias, eles não superaquecem, ficam mais ativos e até respiram melhor. Animais de pelagem longa, como shih tzu, também costumam ficar mais alegres e dispostos no inverno.

A pelagem longa e densa funciona como uma proteção natural, o que evita a perda de calor e ameniza a sensibilidade ao frio”, explica a veterinária. Mesmo alguns pets preferindo esse clima fresco, é primordial não abusar e ficar atento à friagem e aos desconfortos causados por ela. “O ideal é manter caminhas bem quentinhas, e usar mantas e roupinhas quando o pet estiver com a pelagem curta

Atendimentos

Nesta época do ano, uma média de 30% dos atendimentos de animais são por patologias relacionadas a baixas temperaturas. Por isso, é importante providenciar a vacinação preventiva para evitar tosse dos canis (gripe canina), que pode trazer complicações como bronquite e pneumonia.

O tratamento para estes casos depende muito do estágio da doença, e alguns dos bichinhos de estimação podem precisar somente de xaropes, assim como outros podem precisar de prescrição de antibióticos e até inalações. “Em casos mais severos, a indicação é a internação para suporte monitorado 24 horas por dia”, finaliza a veterinária.

Gostou do conteúdo? Então, deixe seu comentário! Ele é muito importante para mim.

Envie sua sugestão de novos assuntos pelo Messenger. Curta e siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, Twitter e Instagram; e inscreva-se no canal no YouTube. Receba, ainda, novidades e ofertas exclusivas por e-mail inscrevendo-se na newsletter.